Como sentir-me bem na pele de uma lingrinhas

l-bodies-good-bodies-flower-wreath-45ph. Grace D. Chin

Sempre fui magra, mas, durante muito tempo, significou comer o que me apetecia e não conseguir ultrapassar os 37kg. Se por um lado ficava feliz por não ter de passar fome, por outro debatia-me com o facto de me sentir com pouca energia (comesse o que comesse). Era uma lingrinhas e os meus colegas rapazes não me ligavam nenhuma porque, ao contrário das minhas colegas, eu não tinha curvas. Por isso, gostava de partilhar, sem qualquer condescendência, a minha experiência.

“Most people have no idea how good their body is designed to feel.” – Kevin Trudeau

Tenho 21 anos, 1,56 e normalmente estou nos 45kg. De vez em quando desço para os 41kg. Recentemente perdi algum peso, mas ando a tentar reverter urgentemente a situação. Até ao último ano do Ensino Básico, não ultrapassava sequer os 37kg.

Eu tinha, como se costuma dizer, perninhas de alicate. Mas comia, diz a minha mãe, como um camionista. Por outro lado, o único exercício que fazia era o que me obrigavam nas aulas de educação fisica – e eu até gostava de ginástica e de jogar futebol, mas era porque sempre adorei andar às cambalhotas e às caneladas. Já não tenho educação física nem faço ginástica ou jogo futebol.

Quando entrei para uma escola nova, no 5.º ano, lembro-me de me perguntarem se tinha a certeza de estar no sítio certo. Eu não chegava ao balcão da papelaria, mas cabia em qualquer buraco. Ainda hoje, a maior parte das pessoas acha que sou bastante mais nova. Não é só por causa da altura nem só pelo peso.

"It's a big world, baby/ You can fiddle in your own style" 😎 in @pavilhaodoconhecimento #liliput /photo by @carolaranjaa

A post shared by Raquel Dias da Silva (@raquelagdsilva) on

Agora já tenho umas curvas e um peito que se apresente, mas continuo a ser confundida com uma adolescente, o que se deve obviamente a toda a minha estrutura física. Claro que era algo que me afetava, sobretudo nos meus 12/13 anos. Ainda por cima a maior parte das minhas colegas eram mais velhas. A minha melhor amiga era a única miúda que tinha menos seios que eu (e, hoje em dia, nem isso). Sempre foi muito desejada pelo universo masculino, por causa do seu corpo atlético, de quem pratica desporto, atividade para a qual, no geral, nunca tive paciência.

No que diz respeito à minha pessoa, para além de estudiosa, o que no secundário é o mesmo que dizer marrona, era uma piolha, uma tábua de engomar para anões ou uma trinca-espinhas, adjetivo na altura super na moda por causa da telenovela Anjo Selvagem.

That’s always seemed so ridiculous to me, that people want to be around someone because they’re pretty. It’s like picking your breakfast cereals based on color instead of taste.” John Green, Paper Towns

Lembro-me de comprar roupa para criança até muito tarde. Tinha 16 e comprava peças para 14. As calças eram o 32, agora são o 34. Utilizo S’s e XS’s para adultos, mas calço 35, o que significa que é quase missão impossível encontrar sapatos de que goste. Para além de que teimam em indicar-me a secção das crianças. Ora, eu não quero sapatos estampados com o rosto de uma qualquer celebridade juvenil.

Admito que já não me sinto mal, mas na altura era uma grande treta porque os miúdos diziam aquelas tiradas de quer-se é carne para agarrar ou és mesmo um pau de virar tripas. Por outro lado, sempre odiei a minha barriga, porque nunca foi lisa como às das minhas amigas magras nem nunca me ficou tão bem como às minhas amigas curvílineas. Não deixei de comer, mas até para isso é preciso força de vontade e a minha vida não faria qualquer sentido sem comida.

For big foodies by Nuno from Zapata Restaurante in @supernova.pt 🍴 🍞 🐟 🌿 #zomatopt #foodie #supernovapt

A post shared by Raquel Dias da Silva (@raquelagdsilva) on

O que é que quero dizer com isto? Que sempre tive um metabolismo rápido e que os outros não percebiam que não era por eu comer mais (e eu sempre comi bastante) que engordava. Da mesma maneira que as pessoas acima do peso ou com excesso de peso até podem deixar de comer, mas não é por isso que conseguem emagrecer.

Cada um de nós tem as suas particularidades e há que considerar a genética, as doenças e uma outra centena de fatores que influenciam a estrutura do nosso corpo e o funcionamento do nosso organismo. Claro que eu tenho noção que as pessoas magras (pouco abaixo do IMC recomendado) e as normais (com o IMC adequado) são privilegiadas pela sociedade, mas são capazes de sofrer da mesma forma em alturas importantes da sua vida e precisamos de tomar consciência de que humilhar os outros é errado, ponto.

Ainda assim, acho muito importante que cada um de nós se fortaleça individualmente. Vivemos em sociedade, mas em última análise é connosco próprios que temos de lidar todos os dias. É essencial que, cada um de nós, se aperceba do quão idiota é o peso da imagem quando somos muito mais do que apenas o nosso corpo. Mas é também fundamental que sejamos capazes de olhar para ele e de o admirar, porque afinal é ele que nos protege, nos passeia, nos aconchega.

Recomendo a leitura: What 8 body positive activists want you to know about losing weight in the new year9 hashtags that champion body positivity for all Love the skin you’re in: 9 uplifting body-positive blogs

  • Importante é estarmos bem de saúde e sentir-mo-nos bem na nossa pele. A partir daí…

  • Eu tenho 26 anos e peso 45 kg. Ás vezes chego aos 46 mas rapidamente volta para os 45kg.
    Percebo perfeitamente o que dizes neste texto.
    Beijinho

  • Toda a gente sofre por ter uns kg a mais ou uns kg a menos, mas o mais importante é que nos sintamos bem connosco mesmos. Já conseguiste isso, por isso estás de parabéns! 🙂
    Obrigada pela dica minha querida, mas eu só escrevi em duas línguas porque o site me tinha pedido um post em inglês, e eu não queria escrever só em inglês. Daí o bilingue 🙂

    • Raquel Dias da Silva

      É verdade Maura. O meu problema não eram tanto os quilos, mas toda a minha constituição física (ser magra, baixa e pouco precoce). De qualquer forma, acho que todos sofremos com uma coisa ou outra a dada altura das nossas vidas. O importante é perceber porquê e desmitificar o assunto 🙂

  • Raquel … incrível tu descreveste-me!!! Sempre fui trinca espinhas! Sempre com pesos como os teus. Sempre cheia de fome, ainda hoje tenho um metabolismo muito rápido! Comprar roupa era uma epopeia! Entretanto aos 32 anos engravidei e a partir dai o meu corpo mudou! Quando engravidei pesava 42kg! Hoje já peso 52!! Uma loucura! Por isso não te preocupes…!! O importante é que te sintas bem!
    És muito novinha, aproveita os 20! Beijinhos!!!

    • Raquel Dias da Silva

      Olá Maria,
      A minha mãe também anda por volta dos 52, por isso não me aflijo, que com a genética não nos podemos zangar 🙂 Obrigada pelas palavras bonitas! Muitos beijinhos!

  • Gostei muito de ler esta tua publicação, Raquel. É um assunto delicado, especialmente porque ainda vivemos numa sociedade que impõe certos parâmetros de beleza e de peso ideal, não só em relação às mulheres, como aos homens, e em tenra idade é muito fácil sentirmo-nos fora dos padrões, quando o nosso corpo ainda está a desenvolver-se e vemos as outras meninas mais “curvy”, com mais peito, etc., e ainda não temos uma mentalidade preparada para aceitar e perceber que não temos de ser iguais, nem devemos sentir-nos mal por não sermos.
    Espero que caminhemos para uma mudança drástica de mentalidade em relação a isso. E é importante que esses valores sejam passados aos meninos e meninas desde cedo. Devemos dar realmente importância à saúde, a cuidar de nós, e a sentirmo-nos bem com quem somos, quer fisicamente, quer em termos de personalidade.

    Beijinho e continuação de bom fim de semana!

    • Raquel Dias da Silva

      Muito obrigada Sofia pelo teu comentário. Na minha turma não havia ninguém que tivesse um peso acima do indicado. Eram todas ou atléticas ou curvy, pelo que eu era o alvo de serviço. Até ao meu 9.º ano sentia-me muito pouco bonita. Só mais tarde, no secundário, percebi que existiam outras pessoas a sofrer do mesmo, seja porque eram magrinhas como eu ou porque eram mais gordinhas e entendi que o problema dessas pessoas, tal como o meu, era apenas estar mais preocupada com o que os outros diziam do que com aquilo que eu realmente sentia. Continuo a ter as minhas inseguranças de imagem, como penso que todos temos num dia ou noutro, mas tem muito mais a ver com aquilo que eu desejo do que com os outros desejam e acho que assim é que tem de ser. Espero que esta publicação chegue a quem ainda não tenha feito a descoberta e que possa ajudar de alguma forma 🙂
      Beijinho e bom fim-de-semana!